Páginas

02 outubro, 2013

Pouca Fala

Como é fácil dizer. É abrir a boca
e deixar que se livre, como um rio
perdido de si mesmo, o desvario.
Aprendi: toda vez que deixo a boca
entregar-se à aventura da verdade,
não demora a traição da liberdade
me devolve a palavra desalada.
O tempo é o do fazer silencioso
e um pouco de canção, brasa que o azul
do sonho que trabalha vai lavrando.
Como a terra que abriga e dá caminho
a um sonho de semente que não sabe
que abre um rastro de luz na escuridão.

  (Thiago de Mello)


2 comentários:

  1. maravilhoso, vivo a arte, respiro as palavras, mastigo as frases, durmo com as cores. pulsa o coração de emoção, arrepia a pele de gratidão, por poder ler poemas como esse. maravilhoso.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir